Webmail ME-UFRJ

Protocolos Assistenciais

Informação ao Cidadão

Login



Acesso à Informação

Ouvidoria UFRJ

Twitter ME-UFRJ
Visitantes
Temos 71 visitantes online
Próximos Eventos
Sem Eventos

ALERTA ÀS GESTANTES - ZIKA VÍRUS


CARTA À POPULAÇÃO

 


UNIVERSIDADE FEDERAL  DO RIO DE JANEIRO

MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ

Direção


ALERTA ÀS GESTANTES – Zika vírus

A Organização Mundial da Saúde, em 1 de fevereiro de 2016 decretou Emergência Sanitária Mundial para zika vírus e microcefalia.

No Brasil, até o dia 11 de janeiro de 2016 foram notificados 3.530 casos de microcefalia provavelmente relacionados à doença. Até 30 de novembro de 2015 a taxa de microcefalia no Brasil, em 14 Estados computados, foi de 99,7/100.000 nascidos vivos, um aumento de 20 vezes em relação à taxa de 2010 que foi de 5,7/100.000 nascidos vivos [Pan American Health Organization(PAHO)/OMS].

O Estado do Rio de Janeiro encerrou o ano de 2015 com 115 casos de bebês com microcefalia, segundo dados do boletim epidemiológico da Superintendência de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde. Do total, 30 são filhos de mulheres que relataram ter tido exantema (manchas vermelhas) durante a gestação, um dos sintomas do zika, vírus que está sendo relacionado à microcefalia.

Editorial do Lancet (2015) refere atualmente, apenas no Brasil, 440.000-1.300.000 casos de zika vírus. O zika vírus é um arbovírus transmitido pelo mosquito Aedes egypti, o mesmo da dengue e da chikungunya, que foi isolado do macaco rhesus em Uganda em 1947, e causador de infecções humanas com sintomas leves de febre, exantema e artralgia. Outras anomalias congênitas e um aumento da frequência da síndrome de Guillan-Barré associados ao zika vírus tem sido reportados.

Oliveira Melo et al. (2016) descrevem talvez os primeiros casos de microcefalia fetal diagnosticados pelo ultrassom e comprovados pelo exame do líquido amniótico (PCR). Infecções intrauterinas afetando o cérebro do feto são relativamente raras, sendo as mais conhecidas: citomegalovírus (CMV), toxoplasmose, herpes vírus, sífilis e rubéola.

Notificação

Toda gestante, independente da idade da gravidez, com exantema agudo (considerado agudo os primeiros 5 dias), excluídas causas não infecciosas devem ser notificadas, assim como aquelas que tiveram bebê com microcefalia (Ministério da Saúde, 2015).

Gestante com exantema

As gestantes com exantema, serão submetidas a exames de laboratório e de ultrassonografia. Lembramos que, independente da causa da doença febril/exantemática a gestante deve receber atendimento clínico visando o controle dos sintomas, manutenção da hidratação e identificação dos fatores de gravidade.

Microcefalia pós-natal

Casos de recém-nascidos com microcefalia pós-natal serão notificados. Considera-se microcefalia ao nascimento a CC menor ou igual a 32 cm. Esses bebês serão submetidos a exames clínicos, laboratoriais e de imagem. A mãe de filhos com microcefalia, ainda não investigada, será submetida a coleta de amostras para exames de laboratório.

A Direção da Maternidade Escola da UFRJ, elaborou estratégias embasadas nas diretrizes propostas pelo Ministério da Saúde e Secretarias Estadual e Municipal de Saúde, para apoiar e esclarecer a população, em especial as gestantes.

Embora nossa atenção esteja voltada para este momento crítico das gestantes, entendemos que as medidas de combate ao transmissor da doença devem ser priorizadas e difundidas, para obtermos o apoio da população em geral,  para a redução desta ameaça.

 

Referências:

Pan American Health Organization/World Health Organization (PAHO/WHO). Epidemiological Alert. Neurological syndrome, congenital malformations, and zika virus infection. Implications for public health in the America, 1 December, 2015.

Editorial. Zika virus: a new global threat for 2016. Lancet 2015; 386: 243.

Oliveira Melo AS, Malinger G, Ximenes R, Szejnfeld PO, Alves Sampaio S, Bispo de Filippis AM. Zika vírus intrauterine infection causes fetal brain abnormality and microcephaly: a tip of the iceberg? Ultrasound Obstet Gynecol 2016; 47: 6.

Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. Protocolo Clínico e Epidemiológico. Microcefalia, versão no 02, 2015.

Montenegro, CAB e Rezende Filho, J. Obstetrícia, 13 ed, 2016 (em impressão).

 

  1. COMO PREVENIR ZIKA,  DENGUE E CHIKUNGUNYA
  2. TABELA DE SINTOMAS
  3. ORIENTAÇÕES ZIKA VÍRUS